Sobre

Na essência do projeto Orquestrando São Paulo está o curso Técnicas e Boas Práticas para Regentes de Orquestras e Grupos Musicais do Sesi-SP, composto por três módulos online é totalmente gratuito e ministrado em uma plataforma intuitiva com monitoria para sanar possíveis dúvidas. Além das técnicas para o aperfeiçoamento da atuação dos músicos como regentes, as aulas pretendem difundir noções sobre a gestão de uma orquestra.

Um caminho para a democratização da música erudita

O Orquestrando São Paulo tem uma tarefa simples em mente, mas um desafio enorme e promissor em mãos: contribuir com o aprimoramento e a formação de novos regentes para a música. Atuando principalmente em cidades com até 50 mil habitantes, o projeto levará capacitação técnica e artística a músicos que tenham interesse em trabalhar em sua comunidade como agentes de difusão cultural, promovendo a criação de grupos, cameratas e orquestras e o desenvolvimento musical da região.

A dinâmica do curso

Composto por três módulos online, o curso Técnicas e Boas Práticas para Regentes de Orquestras e Grupos Musicais do Sesi-SP é totalmente gratuito e ministrado em uma plataforma intuitiva com monitoria para sanar possíveis dúvidas. O material didático conta com videoaulas, textos, partituras e exercícios práticos. Além das técnicas para o aperfeiçoamento da atuação dos músicos como regentes, as aulas pretendem difundir noções sobre a gestão de uma orquestra, com dicas administrativas e de gerenciamento dos recursos humanos essenciais para manter essa atividade artística. Ao final do curso, todos os participantes aprovados receberão certificado emitido pelo SESI-SP.

Quem pode participar?

Podem se inscrever gratuitamente músicos, regentes e responsáveis por bandas e orquestras ou quem quiser exercer esse papel em sua cidade. A cada semestre, uma nova turma terá a oportunidade de desenvolver suas competências musicais por meio da metodologia desenvolvida pelo Projeto Orquestrando São Paulo. A proposta é formar mais de 300 regentes até o ano de 2020.

Um visionário da música

A ideia nasceu da cabeça brilhante do maestro João Carlos Martins, principal nome da música erudita brasileira atualmente. Em seu sonho de popularização da música, levando-a a todos os cantos do País, dos grandes centros urbanos, comunidades carentes e de vulnerabilidade social até pequenos municípios, o maestro analisou o caso de sucesso do El Sistema, programa venezuelano de inclusão social por meio da arte musical. Orquestrando São Paulo foi inspirado no projeto venezuelano, mas, ao contrário dele, foca na regência e na atuação dos regentes como agentes disseminadores da cultura. A intenção será sempre a manutenção de grupos musicais pelo interior de São Paulo, oferecendo o conhecimento como subsídio para a criação de novos artistas no cenário erudito do Brasil.

O maestro João Carlos Martins é considerado um dos maiores intérpretes de Johann Sebastian Bach, atingindo um patamar raramente alcançado por outros músicos brasileiros no século XX. Um dos pontos altos de sua carreira foi a gravação da obra completa para teclado desse gênio da música. Logo após, devido a problemas físicos, teve que abandonar a carreira de pianista, canalizando sua paixão para a regência.

Pensando nopatrimônio cultural

O Serviço Social da Indústria do Estado de São Paulo (SESI-SP), em sua missão de difundir diferentes tipos de manifestações artísticas para toda a região, com a convicção de que a fruição artística desenvolve o senso crítico e aperfeiçoa o exercício da cidadania, tem orgulho de deixar esse legado para a população brasileira. A instituição pensa na cultura como um dos mecanismos para a construção do conhecimento e consequente desenvolvimento social. Em relação à música erudita, especialmente, o SESI-SP entende a importância da conservação e difusão desse patrimônio imaterial. Por conta desse princípio, mantém em sua programação inúmeras apresentações de grupos eruditos, organiza um evento anual sobre o tema, a Mostra SESI-SP de Música Erudita, oferece a oportunidade para o aprendizado de instrumentos como viola clássica, violino, violoncelo e contrabaixo por meio de seus dez Núcleos de Música e é um dos financiadores da Bachiana Filarmônica SESI-SP, regida pelo maestro João Carlos Martins. Com o investimento no Orquestrando São Paulo, a organização toma mais um importante passo para a democratização desse gênero musical nas comunidades mais afastadas dos grandes polos urbanos.

A instituição torna-se, dessa forma, pioneira não só por pensar em perpetuar essa herança para as futuras gerações, mas por ter elegido como prioridade um projeto cujo foco ainda é muito escasso em todas as regiões do globo: o aperfeiçoamento de regentes. Ao lançar o projeto, o SESI-SP abre um novo leque de possibilidades de atuação, passando a trabalhar em quatro importantes vertentes para a difusão do conhecimento da música erudita: a formação de público, por meio das apresentações gratuitas oferecidas em sua programação; a educação musical, graças aos seus cursos de aprendizagem de instrumentos; o fomento a grupos e orquestras, como é o caso da Bachiana Filarmônica SESI-SP, e, a partir de agora, o apoio à criação de novos regentes, bandas e orquestras.